buscar
Alta Floresta - MT, 23 de August de 2019. 11:32hs
PortuguêsInglêsEspanholItaliano

Notícia Exata

Menu

POLÍTICA

Romoaldo, Savi e Fabris agora são investigados em 1° grau

25/07/2019 - 06:23hs. - Fonte:

Romoaldo, Savi e Fabris agora são investigados em 1° grau

O desembargador Rondon Bassil, do Tribunal de Justiça (TJMT), declinou da competência de investigar o deputado Romoaldo Junior (MDB) e os ex-deputados Mauro Savi (DEM)  e Gilmar Fabris (PSD) em ação originada pela Operação Ventríloquo. Dessa forma, o processo passa a tramitar na 7° Vara Criminal, na qual já está a operação que tem Jose Geraldo Riva como principal alvo.

A Operação Ventríloquo investiga desvio de R$ 9,4 milhões da Assembleia Legislativa (ALMT), saqueados entre os anos de 2013 e 2014.

O declínio se deve porque os alvos não ocupam mais os cargos de deputados e perderam o foro por prerrogativa de função, que previa que parlamentares estaduais fossem investigados em segunda instância.

“Por todo o exposto, em respeito ao princípio do juiz natural e com fundamento no que estabelecem as regras descritas no art. 51, inc. XV, do RI/TJMT, no art. 70, caput, do CPP, e na Resolução nº. 11/2017/TP, declino da competência para examinar e julgar esta ação penal em favor do MM. Juízo da 7ª Vara Criminal da Comarca da Capital”, diz a decisão do dia 23 de julho.

Romoaldo não foi eleito e ocupa cadeira na Casa de Leis por ser primeiro suplente. A ausência do cargo, por alguns meses, já é considerada perda de foro, como explica o desembargador.

"Apesar disso, é de se notar que como houve a quebra da unidade de legislatura, isto é, a interrupção, ainda que por breve período, do exercício da função parlamentar, não se justifica a manutenção da competência do Tribunal de Justiça para processar e julgar o denunciado por fato anterior ao cargo atualmente ocupado", diz o documento.

Além dos ex-deputados, são denunciados Ana Paula Ferreira Aguiar, José Antônio Lopes, Claudinei Teixeira Diniz, Marcelo Henrique Cini, Cleber Antônio Cini, Valdir Daroit, Leila Clementina Sinigaglia Daroit, Odenil Rodrigues de Almeida e Edilson Guermandi de Queiroz.

Operação Ventríloquo

A operação Ventríloquo desmantelou uma organização criminosa instalada na Assembleia Legislativa de Mato Grosso acusada de ter desviado R$ 9,5 milhões dos cofres públicos. De acordo com o Gaeco, “no período compreendido entre os anos de 2013 e 2014 os investigados junto com parlamentares estaduais constituíram uma organização criminosa estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas com um único objetivo: saquear os cofres da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso”.

No mesmo período os investigados teriam ocultado e dissimulado a natureza e a origem dos valores provenientes da infração penal cometendo o crime de lavagem de capitais. Na época, a Assembleia Legislativa contratou um seguro junto ao antigo Bamerindus Companhia de Seguros na década de 90 (hoje HSBC, que o incorporou), porém, não quitou os valores devidos, o que levou à Seguradora ingressar com a ação de execução no ano de 1997.

Na época os promotores concluíram que entre os meses de fevereiro à abril de 2014 os denunciados subtraíram os milhões de reais em proveito próprio e alheio valendo-se da condição de funcionários públicos de alguns de seus membros.

 

Fonte:Jéssica Bachega - Foto: Reprodução

Olá, deixe seu comentário.

Você precisa estar logado para enviar comentários.
CLIQUE AQUI PARA LOGAR

SOBRE NÓS
Expediente |  Fale Conosco |  Quem Somos


NOTÍCIA EXATA
Telefone: (66) 9 9912-8992 ou (66) 9 8436-0806
E-mail: contato@noticiaexata.com.br
Endereço: Rua A-4, nº 412, Setor A, Centro, CEP: 78580-000, Alta Floresta - Mato Grosso

Clay José Frantz ME - CNPJ: 13.321.695/0001-55
Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução de matérias sem ser citada a fonte.