buscar
Alta Floresta - MT, 08 de dezembro de 2019. 09:11
PortuguêsInglêsEspanholItaliano

Notícia Exata

Menu

CIDADES

Alta Floresta: Ministério Público aciona Justiça para que prefeitura faça concurso público na educação

27/11/2019 - 07:59 - Fonte: Redação Notícia Exata / Foto: Arquivo Notícia Exata

Alta Floresta: Ministério Público aciona Justiça para que prefeitura faça concurso público na educação

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Promotora de Justiça Carina Sfredo Dalmolin acionou o Poder Judiciário através de uma ação civil pública com pedido de obrigação de fazer contra a Prefeitura Municipal de Alta Floresta, devido à falta de concurso público na área da educação.

Conforme a ação, foi instaurado no âmbito da 2ª Promotoria de Justiça Criminal de Alta Floresta, em 09 de janeiro deste ano, o Inquérito Civil registrado sob o SIMP nº 000074-011/2019, em razão de cópias extraídas do SIMP nº 003676-005/2018, visando apurar possível desrespeito, por parte da Administração Municipal de Alta Floresta, das normas referentes à contratação de profissionais da rede municipal de educação.

Conforme apurado, o último concurso público realizado pelo Município de Alta Floresta para o cargo de professor ocorreu no ano de 2012 e, desde então, o poder executivo vem contratando profissionais da área da educação por contrato temporário, em que se vale do teste seletivo para preencher cargos que possuem natureza e vínculo permanentes, pois se tratam de atividades rotineiras nos quadros da Administração Pública.

Para se ter ideia, no ano de 2018 haviam na rede municipal 134 professores efetivos e 184 contratados.

“O que evidentemente se revela desproporcional, ante o caráter excepcional da contratação temporária, bem como as suscetíveis renovações de contratos temporários de atividades de caráter permanente”, diz a ação.

Ao longo do ano o Ministério Público vem buscando informações sobre medidas adotadas pela prefeitura municipal para sanar esta forma de contratação.

A prefeitura criou uma Comissão para Avaliação e Diagnóstico dos Gastos com Pessoal do Poder Executivo, sendo uma das atribuições da referida comissão elaborar o levantamento quanto à real necessidade de realização de concurso público em toda administração pública, bem como para a Secretaria Municipal de Educação.

Ficou determinado no artigo 6º do referido Decreto o prazo máximo de 60 (sessenta) dias para a conclusão dos trabalhos da aludida comissão, contados da data da publicação, que ocorreu em 17/05/2019, ou seja, o prazo venceu e não foi apresentada a conclusão do levantamento ou anunciou de concurso público, pelo contrário, a prefeitura voltou a realizar processo seletivo para o ano de 2020.

“Verifica-se clarividente a intenção do Município de Alta Floresta em, reiteradamente, preencher os cargos públicos permanentes através de Processo Seletivo Simplificado, realizando corriqueiramente contratações temporárias, onde o vínculo deveria ser estável e, assim, está a consumar gravíssima violação aos princípios constitucionais da Administração Pública”, pontuou a promotora.

Diante da situação a ação civil requer também antecipação dos efeitos da tutela a concessão de REALIZAÇÃO DE CONCURSO PÚBLICO NA ÁREA DA EDUCAÇÃO, sob pena de multa pecuniária diária no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), em caso de atraso, nos termos do artigo 11 da Lei nº 7.347/1985.

A promotora ainda lembrou na ação, que o Tribunal de Contas no dia 26 de abril deu prazo de 150 dias para que a prefeitura realizasse concurso público, o que não ocorreu.

Além disso, citou outras duas situações, há ainda em tramitação nesta Comarca a Ação de Execução de Título Extrajudicial de nº 6946-33.2013.811.0007, Código TJ nº 111316, proposta pelo Ministério Público Estadual e Ministério Público do Trabalho em face do Município de Alta Floresta visando o cumprimento das obrigações de fazer e não fazer constantes no Termo de Ajustamento de Conduta firmado anteriormente pelas referidas partes, com doze itens obrigacionais objetivando combater a terceirização ilícita e contratações irregulares de servidores na área da Saúde Pública Municipal, que ainda não foram devidamente cumpridos.

Em outra situação o MPE ingressou com Ação Civil Pública em face do Município de Alta Floresta, em razão da existência de pessoas nomeadas e contratadas a título precário na área da saúde (comissão e contrato temporário), exercendo atribuições típicas de ocupante de cargo de efetivo, sendo que, em 11/10/2019, foi proferida sentença na referida Ação Civil Pública, que tramita sob o nº 1003699-51.2018.8.11.0007, em que foi julgado procedente o pedido, determinando, entre outras coisas, que, constatada a necessidade permanente do serviço público para cargos permanentes, deverá o município de Alta Floresta, no prazo de 120 (cento e vinte) dias, promover concurso público de provas e títulos para provimento dos cargos efetivos.

“Verifica-se, assim, o descaso do Município em face da legislação constitucional e infraconstitucional tangente ao assunto em voga, pois prefere reincidir em conduta, no mínimo, discutível do que se pautar pela legalidade”.

Olá, deixe seu comentário.

Você precisa estar logado para enviar comentários.
CLIQUE AQUI PARA LOGAR

SOBRE NÓS
Expediente |  Fale Conosco |  Quem Somos


NOTÍCIA EXATA
Telefone: (66) 9 9912-8992 ou (66) 9 8436-0806
E-mail: contato@noticiaexata.com.br
Endereço: Rua A-4, nº 412, Setor A, Centro, CEP: 78580-000, Alta Floresta - Mato Grosso

Clay José Frantz ME - CNPJ: 13.321.695/0001-55
Todos os direitos reservados - É proibida a reprodução de matérias sem ser citada a fonte.